Dias desses, eu estava dirigindo de volta para casa e passei por uma rua cheia de árvores. Reparei na maior delas, lá no fim da rua, e fiquei surpresa ao perceber que as folhas não se mexiam, que não havia vento algum. Porém, quando cheguei à esquina e me aproximei dela, pude ver que os galhos, na verdade, estavam se movendo, sim. Bem de leve. Eu é que não estava perto o suficiente para perceber.

Penso que as situações da vida (problemas, oportunidades, acontecimentos) são como o vento: não podemos vê-las, mas podemos sentir o impacto que causam em nós.

Ao olhar para o outro, podemos ter a falsa impressão de que determinada situação não o atingiu. Mas se a gente chegar perto, pertinho de verdade, só então poderemos perceber que, na verdade, aquele vento balançou, sim, os galhos em sua alma.

É importante tomarmos cuidado com nossas palavras, atitudes e decisões. Elas podem provocar todo o tipo de vento, brisa ou até mesmo furacão na vida de quem nos rodeia – lembrando que o mesmo vento que leva alívio àquele que sofre com o calor pode levar aflição a quem sofre com dentes sensíveis. Tudo é relativo. Cada árvore sabe o vento que pode suportar.

Se recebemos a graça de influenciarmos uns aos outros, que saibamos ser sempre a brisa que acalma, jamais a ventania que atormenta. E oferecer palavras de conforto, gestos de bondade e pensamentos otimistas e motivacionais para alcançarmos o outro somente com positividade!

É isso o que espero conseguir, ao dividir aqui essas reflexões! Espero sempre alcançar o coração de vocês com coisas boas… :)

 

Beijos cheios de carinho,

Sam :*