Se você já assistiu aos primeiros vídeos da série e já:

  • Colocou a história no papel;
  • Fez suas revisões;
  • Analisou comentários e críticas de leitores betas;
  • Registrou sua obra na Biblioteca Nacional;
  • Está se sentindo seguro para publicar seu livro…

… Então, é hora de apresentar seu trabalho às editoras!

Aqui, você conhecerá os principais tipos de publicação, modos de selecionar as editoras para as quais enviar seu original, como aumentar as chances do seu manuscrito ser lido (e aprovado!)… e, ao final do texto, você saberá qual a pergunta mais importante que precisa responder a si mesmo antes de buscar a publicação.

Vamos começar?

 

#1 – TIPOS DE PUBLICAÇÃO:

O principal tipo de publicação é o “tradicional”, em que a editora se responsabiliza pelos custos de produção, impressão e distribuição do livro nos pontos de venda. Muitas vezes, investem também em campanhas de marketing, turnê de lançamento, assessoria de imprensa, entre outros. O autor não precisa arcar com os custos da publicação, e recebe os direitos autorais combinados em contrato (normalmente, uma porcentagem sobre os livros vendidos).

Outro tipo comum de publicação é o “independente”, em que o autor paga a publicação ou por parte dela. Nesses casos, normalmente ele fica com uma cota de livros para vender e a distribuição da editora pode ser reduzida, limitando-se apenas ao seu website ou a poucos pontos de venda. Varia muito para cada editora!

Conseguir um bom contrato “tradicional” costuma ser difícil, no começo. Às vezes, seu primeiro passo no mercado literário pode ser com uma publicação menor ou independente. Eu comecei assim e, graças a muito trabalho, deu certo! O importante é jamais se deixar levar pela ansiedade e arcar com algo que esteja acima do que você pode investir! Existem várias formas menos arriscadas de você mostrar seu trabalho no mercado e construir seu nome – com blog, vlog, canais, páginas e publicações em plataformas digitais gratuitas. Uma opção interessante é publicar trabalhos ou trechos na internet e medir a resposta do público antes de dar um passo mais sério (não se preocupe: falaremos mais sobre isso no post da próxima terça-feira!).

 

#2 – PARA QUAIS EDITORAS DEVO ENVIAR MEU ORIGINAL?

Quando eu era adolescente e terminei meu primeiro romance, empolguei-me com a ideia de ser publicada e comecei a enviá-lo para todas as editoras que encontrava pelo caminho – o que incluía algumas que não tinham nada a ver com meu gênero literário. Por exemplo: editoras de livros didáticos… (sim, eu fiz isso!)

Uma técnica simples para você procurar possíveis editoras é pesquisar livros do mesmo gênero que o seu nas livrarias e/ou lojas virtuais e anotar as editoras que os publicam. Você também pode acessar sites de editoras e, no link “catálogo”, analisar se publicam livros do mesmo gênero que o seu. O importante é ter certeza de que seu livro está adequado àquilo com que a editora trabalha, ou você perderá seu tempo e o do editor.

 

#3 – COMO ENVIAR MEU MANUSCRITO?

Em primeiro lugar, pesquise no site de cada editora se eles estão recebendo originais no momento e, se sim, de que forma deve ser feito o envio (por e-mail, correio…). Normalmente, essa informação está em links como “PERGUNTAS FREQUENTES”, “ENVIE SEU ORIGINAL”, “SEJA NOSSO AUTOR” ou “CONTATO”.

Respeite o modo como solicitam o envio, e também se eles pedem que você envie algum material anexo (resumo, sinopse etc.). É importante, nesse momento, ter seus direitos autorais preservados – e, se você ainda não fez isso, veja como no vídeo #3 dessa série.

Mesmo que a editora não especifique algo a ser enviado junto ao manuscrito, é importante você anexar à sua obra um documento de apresentação – o famoso Book Proposal. Esse documento contém informações objetivas e resumidas sobre sua obra, como resumo, sinopse, biografia do autor etc.

Coloque-se no lugar do editor, por um momento: você não teria tempo de ler todos os livros naquela pilha de originais recebidos, mas adoraria ter uma ideia do que se trata cada história para decidir se vale a pena investir seu tempo naquela leitura ou não. Então, ao enviar o Book Proposal junto à sua história, você terá a chance de informar rapidamente ao editor do que se trata seu livro, quais os diferenciais, quem é você etc. E as chances de ele se animar para ler a história toda (e aprová-la) são muito maiores!

Como montar seu Book Proposal:

  • Capa (use o termo “Book Proposal”, título do seu livro e pseudônimo do autor);
  • Tema da história (curto!);
  • Sinopse (igual você escreveria na contracapa do seu livro);
  • Descritivo da obra: Quem é o público-alvo? Por que seu original é publicável? Qual o diferencial da sua história?
  • Informações extras (caso haja);
  • Especificações do manuscrito (número de palavras, número de capítulos…);
  • Resumo da história (com começo, meio e fim – pode contar spoilers aqui!);
  • Biografia do autor (quem é você, se já tem livros publicados, seus sites e páginas na internet, redes sociais, prêmios que ganhou etc.)

Dica importante: sugiro que você leia as primeiras 20 linhas do primeiro capítulo (ou prólogo) da sua história e pergunte a si mesmo, com muita sinceridade: eu continuaria lendo esse livro, se fosse um editor? São nessas primeiras linhas que o editor deve sentir a qualidade da sua escrita, seu diferencial e que a história começou com um bom ritmo, que terá tudo para deixar o leitor curioso para ler o resto!

 

#4 – AGORA… AGUARDE!

Depois de ter selecionado as editoras e enviado seu manuscrito para análise, não há outra opção a não ser: respirar fundo e esperar! As respostas costumam demoras semanas e até meses – isso se não acontecer de ficarmos sem retorno, o que pode acontecer devido ao altíssimo número de originais que as editoras recebem.

Uma dica para não desfalecer em agonia (!!!) é: caso tenha enviado seu material pelo correio, envie com o “A.R. – Aviso de recebimento”, um documento dos Correios que será enviado de volta a você confirmando que sua entrega chegou até o destinatário. Ou, se enviou por e-mail, guarde o e-mail de confirmação de recebimento. Porque, quando as semanas se passarem e você ainda não tiver recebido resposta, uma dúvida comum é: “será que meu livro CHEGOU lá, afinal?”. Esses são modos de você ficar tranquilo em relação a isso.

E não caia no erro de “ficar cobrando resposta do editor”. Não pega bem!

Se você receber um NÃO, calma. Não comece a se achar o pior dos escritores! Eu passei 10 anos da minha vida recebendo “nãos” e estou aqui, está tudo bem. Os editores têm muitos originais para avaliar e, como empresa, seria impraticável a editora publicar todos os originais que recebem. Por conta da limitação de produção, eles precisam, muitas vezes, até mesmo rejeitar materiais que julgam bons. Por isso, recebeu um “não”, bola pra frente, continua estudando, melhorando e aprimorando sua escrita. O “sim” virá!

E então, quando você receber um SIM… em primeiro lugar, PARABÉNS! Agora, vem a grande pergunta: Fui aprovado em uma editora… e agora?. E adivinha? Esse será justamente o tema do próximo post! O que analisar na proposta de uma editora? O que levar em conta? Que cuidados tomar?

Se esse tema lhe interessa, inscreva-se no canal do Youtube para acompanhar as publicações e envie suas dúvidas para que eu possa compor as próximas postagens da série – ou responder à sua pergunta diretamente, por aqui!

Falando em perguntas, eu prometi contar a vocês qual a pergunta mais importante que um escritor precisa responder a si mesmo antes de buscar a publicação. E essa pergunta é: Você está pronto?

  • Está pronto para se dedicar aos leitores, às suas redes sociais, ao público que você alcançará com sua história?
  • Está pronto para investir seu tempo (e, às vezes, um pouco de dinheiro) para estar presente aos seus leitores em eventos, sessões de autógrafos e encontros?
  • Está pronto para se comportar como figura pública e formadora de opinião, especialmente na internet?
  • Está pronto para lidar com críticas negativas? (obviamente, elas virão. É impossível agradar a todos!)
  • Está pronto para dedicar boa parte do seu tempo a tudo isso? Porque nossa vida muda. A minha mudou bastante!

Se você respondeu “sim” (mesmo que ainda com um pouco de medo), eu o encorajo a continuar. Mas, se você não se sente pronto, não se envergonhe por isso; a insegurança é muito comum. Apenas continue escrevendo, continue criando e reforçando sua autoconfiança… Quando (e se) você se sentir seguro para tornar seu trabalho público, aí você já sabe o caminho para procurar as editoras certas!

Espero você no próximo post com mais dicas e informações para esse maravilhoso e desafiador mundo literário! E não deixe de conferir esse conteúdo também em vídeo:

 

>> CLIQUE AQUI PARA ASSISTIR AO VÍDEO <<

 

Beijos cheios de carinho,

Sam :*