A Bienal do Livro é um grande evento literário que acontece a cada 2 anos em cidades como São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Fortaleza entre outras. Nos 10 dias de duração, o espaço do evento é dividido em estandes de livrarias, editoras e demais empresas do mercado literário, e conta também com áreas comuns para palestras, sessões de autógrafos e praça de alimentação.

Este ano (2016), participei de uma Bienal do Livro pela sétima vez, e ainda me lembro da ansiedade de se participar pela primeira vez. Sei como ficamos cheios de dúvidas. E sei como é ir embora pensando em quantas coisas poderíamos ter feito de forma diferente.

Foi por isso que criei esta postagem. Porque desejo, do fundo do coração, orientar e tranquilizar aqueles que estão prestes a participar desse maravilhoso sonho que é estar em uma Bienal como escritor!

Aqui, reuni dicas minhas e de diversos colegas escritores que gentilmente dividiram comigo seus conselhos e experiências pessoais para que você tire o máximo proveito da sua participação em uma Bienal para autografar seus livros e promover seu trabalho!

OBS.: Conteúdo também disponível em vídeo no Youtube. Clique aqui para assistir!

#1 – CREDENCIAL DE AUTOR: ENTRADA FRANCA!

Em primeiro lugar, se você é escritor, você pode fazer sua credencial de autor no site da Bienal do Livro para entrar gratuitamente (a Bienal de cada cidade tem seu próprio site, é só fazer uma rápida pesquisa no Google para localizar). Você preenche uma ficha com seus dados e é gerada uma credencial para você levar impressa e apresentar na entrada do evento.

Preste muita atenção às instruções do site, normalmente pedem que você leve seu documento e um livro da sua autoria para comprovar sua condição de autor, mas pode ser que cada edição do evento tenha exigências e regras diferentes. Se o pessoal da sua editora tiver feito sua credencial, peça que lhe enviem uma cópia impressa ou por e-mail para que você tenha uma cópia de segurança.

#2 – COMO PARTICIPAR?

É possível participar de uma Bienal do Livro de 3 maneiras:

1) Ser convidado pelos organizadores para a programação oficial da feira, como palestras, rodas de bate-papo e sessões de autógrafos. Você também pode receber convites de expositores da feira para participar da programação no estande deles (ex.: mesa de autógrafos no estande de uma livraria). Nesses casos, basta você analisar a proposta recebida, sua disponibilidade e mandar ver!

2) Alugar um espaço como expositor, ou alugar parte de um espaço compartilhado para expor e vender seus livros. Se você for autor independente e/ou sua editora não tiver estande na feira, você ainda pode ter seus livros à venda por lá. Você pode tanto alugar um espaço diretamente com os organizadores da feira para montar seu próprio estande (e alugar partes dele para outros autores) ou, como isso normalmente é bastante caro e trabalhoso, você pode alugar um espaço de alguém que já tenha espaço alugado e compartilhe com mais autores. Assim, você paga um valor bastante inferior para esse expositor e pode alinhar diretamente com ele a programação de autógrafos, sua presença no estande e a forma de expor seus livros por lá. Se for fazer isso, alinhe tudo por escrito (se possível em um contrato) detalhando as responsabilidades, se alguma porcentagem das vendas ficará com o expositor ou não e meios de controle para não cair em ciladas ou pegadinhas!

3) Aproveitar o estande da sua própria editora e/ou de parceiros. Se sua editora tiver espaço na feira e for levar seus livros, sua única preocupação será sua programação para estar presente e realizar sessões de autógrafos. Essa agenda pode ser alinhada entre o autor e a editora; pode ser que haja mesa de autógrafos no próprio estande da editora, ou eles podem agendar para você em espaços de empresas parceiras (por ex.: em uma livraria que está expondo na feira). Apresente à editora seus dias e horários disponíveis para que possam alinhar uma agenda de autógrafos.

Mesmo tendo seu(s) horário(s) na mesa de autógrafos, dependendo da sua estratégia de divulgação e da sua disponibilidade, algumas editoras permitem que o autor permaneça no estande se apresentando para os leitores, apresentando seus livros e autografando suas obras por ali mesmo. É uma excelente estratégia especialmente para captação de novos leitores, que muitas vezes passam pelo estande sem nem saber que você estava lá e acabam conhecendo você e seu livro.

Se você tiver essa intenção, o primeiro passo é se informar com a editora se você tem autorização para estar presente no estande e se você pode ir a qualquer dia e horário, ou se os autores serão divididos por turnos ou haverá algum outro tipo de regra. Então, com as regras da editora em mãos (ou do espaço em que você for ficar), monte seu cronograma de dias e horários em que estará presente na feira à disposição dos seus leitores.

#3 – COMUNIQUE!

Informe seu público dos dias, horários e locais em que eles podem encontrá-lo na Feira. Crie um banner com essa informação, deixe disponível e de fácil acesso em suas redes sociais, espalhe por e-mail, crie evento no Facebook… divulgue!

#4 – NADA DE “TODO DIA, TODA HORA”!

Mesmo que você tenha a intenção de estar presente todos os 10 dias da Feira, desde a hora que abre até a hora que se encerra, cuidado para não dizer ao público: “estarei no estande da editora o dia inteiro”. Eu já cometi esse erro, e o que mais acontecia: bastava eu sair para almoçar ou ir ao banheiro que, ao retornar, algum vendedor dizia: “Ah, veio um monte de gente te procurar!”. Você precisará sair do estande em alguns momentos para comer, descansar, ir ao banheiro ou até mesmo para visitar a feira, participar de eventos ou pegar autógrafo de um autor que admira! Então, estabeleça os blocos de tempo em que os leitores vão mesmo te encontrar por lá, já deixe certo seu intervalo para almoço, descanso e outras atividades. E não prometa ficar até as 10 da noite todos os dias; crie um horário que acabe, no máximo, às 20h. Assim, se você estiver muito cansado ou não se sentir bem, pode ir embora descansar sem culpas. E, se der esse horário e você ainda aguentar ficar um pouco mais, fique. Como eu disse nos tópicos anteriores, você não receberá apenas leitores que já o conhecem e sabiam sua programação, mas também encontrará muita gente nova por acaso.

E lembre-se: são 10 dias de feira. Dez! Você precisa descansar entre um dia e outro para aguentar a maratona, se for ficar em vários deles.

#5 – SAÚDE EM PRIMEIRO LUGAR

Se pretende ficar várias horas na Feira, lembre-se de fazer intervalos para se alimentar. E não dependa da praça de alimentação; além das filas intermináveis e dos valores normalmente altos, você dificilmente encontrará opções saudáveis para se alimentar por lá, especialmente se for ficar vários dias. Lembre-se de levar alimentos saudáveis na bolsa ou mochila e deixar guardados para comer em seus intervalos – normalmente o estande das editoras tem um espaço onde os autores podem guardar seus pertences. Frutas, lanches naturais, sucos… Comidas leves e que o mantenham bem alimentado. A autora Naila Barboni quase passou mal por causa disso em sua primeira Bienal: “Não se esqueça de comer. Jamais. E não coma apenas porcaria. Não precisa comer arroz e feijão todo dia, mas tem que comer bem. No meu primeiro dia de Bienal como autora, em 2014, cometi esse erro e quase desmaiei por falta de açúcar voltando para casa”. O autor Vinicius Grossos também alerta: “Nos dias finais minha imunidade sempre abaixa devido ao combo cansaço + alimentação louca, e acabo ficando doente”. Ao programar seus intervalos, o autor Laplace Cavalcanti dá uma boa dica: programar-se para almoçar ou jantar bem mais cedo ou bem mais tarde que a maioria das pessoas, para evitar horários de pico na praça de alimentação para conseguir uma mesa, ou se você pretende comprar algo por lá.

Também é importantíssimo tomar muita água. O escritor Ricardo Ragazzo orienta: “Beba muita água! Muita mesmo! Como se sua vida dependesse disso, porque, adivinha? Depende mesmo!”. O escritor Edson Gomes alerta para levar garrafa d’água de casa, pois já viu autores sofrerem com problemas nos rins por falta de hidratação, fora as filas quilométricas nos bebedouros.

E quanto aos banheiros? Primeiro, procure se informar se existe algum banheiro exclusivo para autores ou expositores, que normalmente terão menos filas. E procure ir nos seus horários de intervalo, mesmo que não esteja com muita vontade, pois vai que você fica apertado no meio do seu evento?

O Laplace também lembrou outra coisa importante: “Tenha um kit de primeiros socorros em mãos. Band-aid, remédio para dor de cabeça, pastilha para a garganta, remédio para alergia, colírio…”. Muita gente sofre com o ar condicionado e a poeira.

Concluo essa parte com uma frase do querido Ricardo Ragazzo: “Bienal não é uma corrida de 100 metros; mas, sim, uma maratona. Não queime a largada ou você não terminará a prova. Dose bem sua energia, distribuindo-a com equilíbrio durante todos os dias”.

#6 – COMO SE VESTIR?

Ficar em pé por horas em cima de um salto alto ou daquele sapato que dá bolhas, durante vários dias seguidos, é desumano e vai atrapalhar seu trabalho. O autor Edson Gomes dá uma boa dica: “Só use sapatos no dia do lançamento de seu livro mas, logo em seguida, troque-os por sapatos confortáveis”. Você pode levar sapatos mais bonitos e menos confortáveis na bolsa para vestir em um evento importante ou de grande visibilidade, e depois trocar por sapatos baixos para ficar lá o resto do dia. Eu mesma fiz isso, na última Bienal!

Use roupas apresentáveis, afinal, você é um escritor! Mas que sejam roupas confortáveis e que lhe permitam bastante movimentação, abraçar e ser abraçado. Dentro do pavilhão, normalmente é quente devido ao grande número de pessoas, mas leve um casaco na bolsa para ir embora, pois pode estar frio do lado de fora quando você sair.

#7 – COMO SE COMPORTAR NO ESTANDE?

Algumas editoras permitem que vários autores permaneçam no estande ao mesmo tempo, apresentando seus livros e atendendo os leitores. É uma excelente oportunidade para você conhecer mais colegas de profissão e trocar experiências! Mas não deixem que o fato de haver muitos autores no local “espante” o leitor… sabe quando você entra em uma loja de roupas e percebe umas cinco vendedoras se aproximando ao mesmo tempo, disputando em silêncio quem chega primeiro para te atender? Você sabe como é sufocante.

A Mari Scotti colocou a situação de forma perfeita: “Tenha cuidado ao abordar o leitor dentro do estande. Esteja atento se já não tem outro autor conversando com ele, se já não vendeu um livro e você pode ‘queimar’ a venda do seu colega de profissão. Cuidado ao parecer vendedor e não o escritor da obra. Muitos leitores fogem do estande quando parecemos vendedores. Ficar no seu cantinho, observando e abordar o leitor quando ele te olhar ou se interessar pelo seu livro é a melhor postura”. Ela também lembra a importância de ter em mãos marcadores ou material de divulgação do seu livro, pois o leitor pode não comprá-lo ali, na hora, mas terá algo para lembrá-lo de pesquisar melhor sua obra depois. O Edson Gomes também lembrou de algo muito útil: decorar a sinopse do seu livro, pois você irá repeti-la várias vezes. Minha técnica sempre foi ter uma versão “ultra resumida” da sinopse do livro, algo curto para responder quando o leitor perguntar “Do que se trata o livro?”. Assim, eu evito iniciar um discurso de 15 minutos que será tão cansativo para ele quanto para mim. Se o leitor demonstrar verdadeiro interesse a partir dessa apresentação curta, aí sim eu apresento a sinopse completa.

A Letícia Black também lembrou um ponto importantíssimo: “Seja sempre gentil e indique livros de outros autores se o leitor não se identificar com o seu”. Isso é tão, tão, tão, tão, TÃO importante! E já aconteceu tantas vezes comigo (e com a própria Letícia, quando estivemos juntas no mesmo estande!). Às vezes você escreve romance e conversa com um leitor que diz preferir fantasia… Em vez de tentar enfiar seu livro goela abaixo e “garantir mais uma venda”, como se estivesse em um campo de batalha, indique seus colegas que escrevem fantasia. Eu já tive meu livro recomendado por tantos colegas, e já recomendei de tanta gente também! É uma satisfação sem tamanho trabalharmos em conjunto, apoiando uns aos outros!

Faço minhas as palavras da Natalia Moreno: “O espaço do estande não é uma arena de competição, você não precisa abordar todos que passam por perto enfiando o livro na cara deles, percebemos quando o leitor se interessa. A venda é uma consequência do seu trabalho. Autores são colegas de profissão e não inimigos em combate. Coloque-se no lugar do leitor ao abordá-lo”. E isso vale mesmo que você seja o único autor presente em um estande!

#8 – AUTOR TAMBÉM É LEITOR!

Nas palavras do autor Laplace Cavalcanti: “Embora seja importante a presença do autor em seu estande, tire um momento para visitar seus amigos e colegas autores. Bienal é o momento que muitos escritores têm para se reencontrarem. Não perca a oportunidade de encontrar seus colegas de profissão e conhecer outros”. Mais uma vez, reforço a importância de você criar uma programação com blocos de tempo para atender os leitores e intervalos para almoçar, ir ao banheiro… e visitar seus colegas autores, conhecer novos, conhecer editores e, quem sabe, fazer contatos muito promissores para seus próximos passos na carreira!

Falando nisso, a Renata Frade disse algo de grande importância: “Estude o mercado antes de ir para fazer bonito”. Você não precisa ser “expert” no mercado editorial, mas procure saber quem estará lá, o que os autores presentes estão lançando, as novidades do mercado editorial… assim, você até mesmo evita saias justas caso emplaque em uma conversa com um grande editor, por exemplo. Um excelente site de notícias do meio para se manter atualizado é o PublishNews.

E, para aproveitar ao máximo seus encontros e contatos, vai uma dica da Tais Cortez: “Anote o nome e número do estande onde os autores que você quer encontrar estarão, bem como os horários. Eu acabei não encontrando alguns autores que gostaria de ter visto porque deixei para procurar onde eles estariam na última hora”. Tais, eu também! :/

E, nos intervalos em que estiver passeando como visitante, lembre-se de ter empatia com autores iniciantes que se apresentem a você também. Não importa quantos livros você já lançou ou quanto sucesso já fez, é sempre importante apoiarmos uns aos outros. Como disse o querido Lucinei Campos: “Seja educado caso não queira conhecer algum trabalho que lhe ofereçam. E, dica importante: tente ouvir e descobrir os novos livros e autores que lhe apresentam, pois alguns podem ser maravilhosos, mas pela falta de distribuição você dificilmente verá”. E nós sabemos quantas joias raras da literatura ainda estão escondidas em uma pequena editora, esperando o momento de brilhar no mundo inteiro, não é? ;)

Se quiser mais dicas sobre como aproveitar a Bienal como visitante, a Mirelle Candeloro tem uma postagem incrível no blog dela recheada de dicas! Clique aqui para ler!

**********************************

Encerro esta postagem com a frase da sempre maravilhosa Tammy Luciano: “Tenha em mente que o leitor é mais importante do que ficar na sala dos autores e o livro é a verdadeira estrela de uma Bienal. Tenha paciência com sua presença na feira. Pode ser que não venham grandes resultados naquela Bienal, mas [o esforço] é de Bienal a Bienal, mostrando seus livros, conhecendo leitores, mostrando sua verdade e sua literatura”.

Agradeço a todos os autores que colaboraram com suas dicas e conselhos para essa postagem! Não consegui incluir aqui todos os que recebi, e deixo o link para a postagem em que você pode ver esses e outros depoimentos de escritores nos comentários (inclusive segui-los no Facebook, se desejar!). Clique aqui para ver o post!

Espero que esse post ajude muita, muita gente! Depois, conta pra mim nos comentários se foi útil para você :)

Beijos cheios de carinho,
Sam :*