Você sabia que diálogos são muito mais que apenas as falas dos seus personagens? Eles podem (e devem) ser utilizados para orquestrar sua narrativa, ajudar na construção dos personagens e ainda informar ao leitor ações e sentimentos presentes na cena.

E como construí-los de modo que a narrativa fique fluida, e não cansativa? Como tomar cuidados para que o leitor não se confunda com as falas de um e outro personagem? Tudo isso, você acompanha no vídeo de hoje, que foi gravado em resposta à pergunta enviada pela leitora Francielli da Rosa!

Clique na tela abaixo para assistir e, na continuação desse post, como prometido no vídeo, trago alguns exemplos mais detalhados sobre a construção dos diálogos de modo que deem suporte à narração.

Veja agora exemplos mais detalhados sobre como utilizar o poder dos diálogos e dos comentários do narrador!

Tomemos como base um diálogo bem simples:

- Olá – ela disse.
- Olá – ele respondeu.
- Tudo bem? – ela perguntou.
- Tudo – ele respondeu. – E você?

As interrupções entre ou após os travessões são os comentários do narrador, e podem ser manipulados de forma que seus diálogos expressem:

 

SENTIMENTOS

- Olá – ela disse, com o coração disparado de nervosismo.
- Olá… – Ele engoliu em seco, talvez para firmar a voz trêmula de apreensão.
- E então? – Ela se esforçou para sorrir. – Tudo bem?
Ele sorriu de volta e descruzou os braços enquanto acenava a cabeça.
- Tudo, sim. E você?
(etc…)

* LEMBRANDO: nem todas as falas precisam ter a voz do narrador explicando quem falou, o que fez, o que sente etc. Algumas linhas do diálogo podem conter apenas a frase dita, sem qualquer complemento. Se sentir necessidade de explicar algo, pode ser feito na mesma linha da fala (entre ou após travessões) ou por um parágrafo do narrador antes / depois dela, separado. Exemplos:

(1) - Eu vou bem. – Tossiu para firmar a voz trêmula. – E você?

(2) Ela sorriu para firmar a voz trêmula antes de responder:

- Eu vou bem. E você?

 

AÇÃO

- Olá. – Ela estendeu a mão para um cumprimento.
- Olá. – Ele imitou o movimento e apertaram as mãos. – Tudo bem?
- Tudo. E você? – Colocou o macarrão na água quente da panela, com cuidado.
- Tudo também.
(etc…)

* OBS: Repare que, quando o comentário do narrador traz um verbo de elocução (“disse”, “afirmou”, “sussurrou”, “negou”… ou seja, referindo-se à fala em si), o comentário do narrador começa com letra minúscula, pois é como se completasse ou continuasse a fala. Já quando o comentário do narrador traz uma ação alheia à fala (“ligou a TV”, “digitou no celular” etc.), a fala é interrompida com pontuação antes do travessão, e este comentário deve ser iniciado com letra maiúscula. Exemplos:

(1) – Olá – ela disse. – Tudo bem? (com verbo de elocução)

(2) – Olá.Ela dobrou o papel com pressa. – Tudo bem? (com ação independente da fala)

 

Espero que tenham gostado das dicas de hoje!

Se também tiver dúvidas, sugestões ou curiosidades que gostaria de ver por aqui, não deixe de me escrever :) Toda terça, uma nova dica para escritores!

 

Beijos cheios de carinho,
Sam :*