Samanta Holtz

Tudo começou na escolha do dia para nascer: o primeiro choro da escritora Samanta Holtz aconteceu dia 23 de abril - coincidência ou não, o Dia Mundial do Livro. Era como se, desde o nascimento, seu destino estivesse voltado para a literatura. E ela não demoraria a perceber que estava mesmo!

Desde pequena, Samanta era apaixonada pelas letras. Passou a infância rodeada de livros e das histórias que o avô Paulo adorava contar para os netos, incendiando a imaginação deles com historinhas que nunca se cansavam de escutar. No entanto, Samanta não se contentava apenas em ouvi-las; tinha tanta curiosidade para entender aqueles conjuntos de letras e palavras que, aos cinco anos, aprendeu a ler sozinha. Foi o que bastou para que começasse a devorar os gibis do Maurício de Sousa, que a mãe nunca deixava faltar em casa. Até que percebeu que não se contentava apenas em ler e, aos sete anos, começou a criar seus próprios personagens e escrever histórias em quadrinhos. Se alguém perguntasse o que ela desejava ser quando crescesse, a resposta estava na ponta da língua: redatora do Maurício de Sousa.

O amor pela escrita rendeu a Samanta cadernos lotados de textos e poesias, elogios de professores e o primeiro lugar em um concurso municipal de redação quando tinha apenas 9 anos. Com o passar dos anos, as ideias e inspirações ganharam força e, aos 14, Samanta começou seu primeiro romance. Foi o ponto de partida em suas criações literárias e no sonho de se tornar escritora.

Mesmo sendo uma busca tão difícil, Samanta continuou escrevendo e, em 2012, viu seu grande sonho se tornar realidade com a publicação de “O Pássaro” (Novo Século), romance histórico premiado no “Destaques Literários 2012” pelo júri técnico e também na votação do público. A boa aceitação logo abriu espaço para a segunda publicação, que aconteceu em 2013 com o romance “Quero ser Beth Levitt” (Novo Século), o qual teve a primeira edição esgotada em apenas 3 meses. Foi então que, em 2014, Samanta decidiu dar uma chance ao romance escrito na adolescência, o qual se tornou sua terceira obra publicada: “Renascer de um Outono” (Novo Século). Em 2016, Samanta foi contratada por uma das maiores editoras do país, a Sextante, e teve então a publicação do seu quarto romance, “Quando o amor bater à sua porta" (Arqueiro).

Outras boas surpresas fizeram parte do caminho da autora, como convites para assinar colunas em revistas e o fã-clube Loucos por Samanta Holtz. Ela também publicou na internet, com acesso gratuito, os contos “A Pianista” e “A Contadora de Histórias”, tendo este último ganhado adaptação para os palcos pelo roteirista Ricardo Biazoto e pela companhia de teatro Viva Arte, com estreia em setembro de 2016 no Teatro Avenida da cidade de Espírito Santo do Pinhal (SP). Em 2014, Samanta recebeu um dos prêmios mais significativos não somente para a sua carreira como para a sua pessoa: O Prêmio Anita Garibaldi – Em Defesa dos Direitos da Mulher. Em cerimônia realizada na Câmara de São Paulo, Samanta recebeu o troféu e a nomeação de Escritora Humanitária.

Com histórias românticas e cheias de surpresas, Samanta Holtz guia os leitores por uma deliciosa viagem, levando-os dos risos às lágrimas em questão de capítulos. Como dizem seus fãs: prepare o coração... e a caixinha de lenços!